Residência Colina de Laranjeiras

Residência Colina de Laranjeiras  é um projeto para sede de uma propriedade rural no município de Laranjeiras cuja implantação se vale de uma posição geográfica privilegiada. Da cota onde está prevista a construção da residência podemos enxergar, a leste, a várzea do Rio Cotinguiba e a planície litorânea onde se insere a cidade de Aracaju. No sentido oposto, podemos visualizar o centro histórico de Laranjeiras, município que foi o epicentro da produção açucareira no estado de Sergipe no final do período colonial.

O projeto é composto por dois blocos sobrepostos; um deles, o principal, corresponde a uma grande edificação térrea e alongada com 63 metros de comprimento por 7 de largura que se encaixa estrategicamente em uma reduzida faixa plana no espigão da colina. Essa edificação térrea recebe em um extremo funções típicas de uma residência – dormitórios, banheiros, salas, cozinha, garagem e área de serviços – e no extremo oposto um núcleo com hospedarias, salas de reunião e áreas para eventos. O bloco que se sobrepõe a essa edificação térrea reúne as dependências da suíte principal e de um pequeno escritório privativo ao redor de um pátio elevado e enclausurado que, por sua vez, garante iluminação e ventilação suplementar a essa parte da casa. Aproveitando o declive natural da colina foi desenhado, transverso à volumetria da residência, um platô que acolhe áreas de lazer e a caixa da piscina de uma determinada maneira, inclusive, que se dispense a realização de escavações no terreno para a sua construção.

A residência é projetada utilizando primordialmente materiais brutos como o concreto aparente moldado in loco e alvenarias de pedra calcária, esse último material largamente utilizado nas construções dos sobrados, trapiches, igrejas e teatros do auge econômico da cidade de Laranjeiras. Dispostas de maneira a reunir pedras de grandes dimensões entremeadas por pedras de menor granulometria (assentamento em canjiquinha) o material rochoso calcário não recebe nenhuma especificação de acabamento como resinas ou outras proteções superficiais de forma a, em função de sua porosidade característica, ganhar uma pátina de musgos e sujidades que vão registrando, paulatinamente, a passagem do tempo na rigidez da rocha. O interior da casa recebe ladrilhos hidráulicos como revestimento único de piso, acabamento comum na arquitetura tradicional de Laranjeiras.

 

 

  • Ano: 2015
  • Localização: Laranjeiras, SE I Brasil
  • Área: 780
  • Autores: Guile Amadeu, Rodrigo Lacerda, Lícia Cotrim e Daniele de Souza
voltar aos projetos